Дървен материал от www.emsien3.com

The best bookmaker bet365

The best bookmaker bet365

cir

cir

Povos indígenas de Roraima se preparam para II Feira de Sementes Tradicionais

 

Os povos indígenas Macuxi, Wapichana, Patamona, Taurepang, Ye`Kuana, Wai-Wai e outros povos, pertencentes às diversas comunidades indígenas de Roraima se preparam para mais uma edição da Feira de Sementes Tradicionais, que esse ano vem com o tema “valorizando e multiplicando as nossas sementes”. A atividade acontece no período de 17 a 19 de junho, no mesmo local da primeira edição, no Centro Indígena de Formação Cultura Raposa Serra do Sol, na região do Surumu, município de Pacaraima.

A perspectiva do evento é motivar a criação de uma rede de produção, fortalecer e valorizar os conhecimentos e saberes proporcionados pelas sementes tradicionais dos povos indígenas, através da troca de experiência e atividades que serão promovidas no evento, com a participação de estudantes e professores indígenas, lideranças e demais convidados.  

De acordo com a programação da Feira, estão programadas atividades como troca e exposições de sementes, apresentações de trabalhos e atividades culturais. Para participar, as comunidades, escolas indígenas e demais participantes devem confirmar presença e inscrever os trabalhos até o dia 1 de junho, com a equipe de organização do evento, conforme descrito abaixo.    

Os trabalhos deverão ser com o tema sobre sementes ou plantas, nas formas orais e cartilhas, considerando os formatos estabelecidos. Por exemplo, a cartilha deverá conter entre 4 a 12 páginas (2 a 4 folhas A4 dobradas ao meio), além de ser feita ao próprio punho, contendo textos e ilustrações. A premiação dos trabalhos de maior destaque será a edição e publicação de 200 exemplares da cartilha, que posteriormente serão distribuídas as comunidades indígenas. 

A Feira de Sementes Tradicionais é uma atividade desenvolvida pela Iniciativa Wazaka`ye, Conselho Indígena de Roraima, Instituto Insikiran da Universidade Federal de Roraima (UFRR) e Instituto de Pesquisa da Amazônia, com apoio das entidades parceiras Instituto Socioambiental (ISA), Diocese de Roraima, Fundação Nacional do Índio ( Funai) e demais instituições parceiras.   

 Para mais informações sobre as inscrições e programação, abaixo os contatos: 

- (95) 88046437- Rachel Camargo Pinho (INPA) 

- (95) 9117 57 29 – Kely Cruz (Estudante – Gestão Territorial Indígena)

 

 

  

 

REGIMENTO GERAL DO CIFCRSS

CAPITULO I

IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO CENTRO

Art.1.-O Centro Indígena de Formação e Cultura Raposa Serra do Sol tem a sua sede na comunidade indígena Barro, Região Surumu, Terra Indígena Raposa Serra do Sol, no município de Pacaraima, Estado de Roraima.

Art.2.-O Centro Indígena de Formação e Cultura Raposa Serra do Sol é uma iniciativa das comunidades indígenas que integram o Conselho Indígena de Roraima (CIR), através de seus Conselhos Regionais, e é reconhecido como um centro particular de caráter comunitário.

Art.3.-O objetivo fundamental do Centro Indígena de Formação e Cultura Raposa Serra do Sol é contribuir na reflexão, capacitação e formação de jovens e adultos indígenas nas áreas social, política, científica e cultural, bem como na técnica agropecuária, a gestão territorial e o manejo ambiental. O processo formativo está voltado à procura de alternativas de auto-sustentação para as comunidades indígenas do Estado e à construção de um futuro social, político e cultural que vise e responda aos anseios dos povos indígenas, tal como garantido no artigo 78º, parágrafos 1 e 2 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) e em outros textos legais  como o parecer 14/99 e a resolução 03/99. Neste contexto, o Centro Indígena de Formação e Cultura Raposa Serra do Sol é pensado dentro do processo de garantia e exercício dos direitos constitucionais indígenas, especialmente o respeito do direito territorial, destacando também o resgate e incentivo cultural indígena.

Art.4.-O Centro Indígena de Formação e Cultura Raposa Serra do Sol oferece hoje um curso de Ensino Médio Integrado, com capacitação profissional na área de Agropecuária e Manejo Ambiental.

&1.O Centro poderá desenvolver outras iniciativas de caráter formativo ou de produção cultural que contribuam à melhora da realidade social, e política do povo, sempre que respeitando e atendendo os interesses das comunidades indígenas.

&2.O Centro poderá executar Cursos de Extensão fora da sua sede, sempre que conforme com a demanda e decisão das lideranças  indígenas.

Art.5. - Os alunos que estudam no Centro são escolhidos pelas suas comunidades e pelas suas lideranças da região, através das suas Assembléias de Tuxauas ou Conselhos Regionais, e se comprometem a concluir o curso e voltar às comunidades de origem para apoiar no fortalecimento da comunidade e de sua organização indígena. O Centro recebe alunos de todas as regiões indígenas do Estado.

CAPITULO II

PROPOSTA PEDAGÓGICA

Terra, Identidade e Autonomia

Art.6.-O Projeto Político Pedagógico do Centro é construído visando a realidade e a caminhada das comunidades indígenas, tendo como eixos de referencia a terra, a identidade cultural e a autonomia.

&1.Terra como um direito originário, que representa a própria vida indígena, sendo necessária para a sobrevivência física, cultural, ambiental e econômica dos povos indígenas, relacionando-se ao exercício de demais direitos fundamentais.

&2.Identidade cultural, como riqueza e referente da vida social, no presente e no futuro, numa perspectiva dinâmica.

&3.Autonomia, como direito de determinar livremente sua condição política e buscar livremente seu desenvolvimento econômico, social e cultural.

Estrutura do Centro

Art.7. - O Centro Indígena de Formação e Cultura Raposa Serra do Sol, para o desenvolvimento de seus objetivos, cria uma Unidade Formativa que oferece as seguintes modalidades de Educação e Ensino, sob modelo de Ensino Médio Integrado.

a)Educação Profissional Técnica de Nível em Agropecuária e Manejo Ambiental, com habilitações em Produção Vegetal e Produção Animal.

b)Educação Básica de Nível Médio.

c)Educação “não formal” ou pedagogia no dia a dia.

&1.O Centro Indígena de Formação e Cultura Raposa Serra do Sol poderá oferecer cursos intensivos de Agropecuária correspondentes à Educação Profissional Técnica de Nível Básico quando assim seja solicitado pelas comunidades indígenas.

&2.O Centro Indígena de Formação e Cultura Raposa Serra do Sol poderá oferecer outro tipo de cursos de capacitação e treinamento nas áreas que sejam consideradas necessárias, quando houver solicitação e interesse das comunidades indígenas. Para isso, poderá criar novas Unidades Formativas independentes entre si, mas articuladas e inter-relacionadas.

Art.8- A Educação profissional Técnica de Nível Médio e o Ensino Médio serão concomitantes, sob forma integrada, conforme inciso I do &1º, Art. 4º do Decreto nº 5.154, de 23 de Julho de 2004. A matrícula será única.

Art.9.-Ambos os níveis de ensino formal terão programas curriculares específicos, porém articulados entre si.

Art.10.-O Ensino Profissionalizante é destinado à formação profissional, na habilitação Agropecuária e Manejo Ambiental, para jovens indígenas que concluíram a 8ª série ou egressos do ensino médio e será sujeito ao contemplado no Decreto nº 5.154, de 23 de Julho de 2004.

Art.11.-O Ensino Médio atende à formação geral do jovem, preparando-o para a vida na comunidade e o exercício da cidadania, desde uma formação crítica social, política e cultural que lhe capacite para assumir a caminhada histórica de seu povo.

Art.12.-Ao terminar os estudos, o aluno receberá a titulação de Técnico em Agropecuária e Manejo Ambiental.

Princípios político-pedagógicos

Art.13. - Os princípios que nortearão o desenvolvimento da proposta pedagógica são os seguintes:

I.Apoio à demarcação e homologação das terras dos Povos Indígenas como garante o artigo 231 da constituição Federal.

II.A educação escolar é um elemento fundamental para o futuro de um povo.  Por isso, a máxima responsabilidade através de suas lideranças.

III.A educação escolar indígena deve responder aos anseios, sonhos e caminhada dos povos indígenas, capacitando os participantes para poderem continuar o processo histórico vivido por seu povo.

IV.Procura de alternativas produtivas na terra para a construção de um futuro digno como povos indígenas dentro do estado de Roraima.

V.capacitação sobre a base da Agricultura Orgânica e Ecológica, orientada ao respeito e o convívio com a natureza, desde a certeza de que o homem e natureza se cuidam mutuamente, permitindo a existência de cada ser vivo. Não trabalhamos com produtos químicos, mas melhorando a qualidade do solo através do aproveitamento de recursos orgânicos.

VI.Auto-sustentação como princípio produtivo, que envolve segurança alimentar, a sustentabilidade das produções e criações e a administração autônoma dos excedentes orientados para o comercio interno ou externo.

VII.Potenciação dos conhecimentos tradicionais, técnicas repassadas de avós para netos, assim como sementes e espécies animais pertencentes ao entorno e à história deste povo.

VIII.Proposta de sistemas de produção baseados na diversificação frente a modelos de desenvolvimento que propõem a monocultura como alternativa.

IX.Articulação da capacitação teórica e prática.

X.Participação direta dos alunos na administração das atividades de auto-sustentação, se responsabilizando pela administração, toma de decisões, programação e economia ligadas à atividade concreta.

XI.Auto-sustentação dos próprios alunos a partir da própria produção

XII.Acompanhamento dos alunos na prática de atividades agrícolas desenvolvidas em comunidades indígenas próximas ao centro.

XIII.Incentivo da iniciativa pessoal e coletiva dos alunos da experimentação, especialmente na área de pesquisa e edição de materiais de divulgação para as comunidades.

 

CAPITULO III

RECURSOS

 Art. 14. - O Centro Indígena de Formação e Cultura Raposa Serra do Sol tem os seguintes recursos físicos disponíveis para o desenvolvimento do trabalho:

a)Quatro salas de aula devidamente equipadas;

b)Um salão para assembleias e encontros com capacidade para 200 pessoas;

c)Biblioteca;

d)Laboratório;

e)Sala de apiário, higienicamente acondicionada para manipulação de produtos derivados das abelhas;

f)Sala de videoteca e computador, apta também para pequenos encontros;

g)Sala de professores com funções também de secretaria do centro;

h)Área de campo para desenvolvimento de práticas Agropecuárias;

i)Casa de ferramenta;

j)Galpão de armazenamento de produtos e secagem de feno;

k)Cantina;

l)Depósito para armazenamento de materiais;

m)Oficina equipada para manutenção básica do Equipamento;

n)Marcenaria com equipamento básico;

o)Galpão para Aviário;

p)Duas pocilgas;

q)Dois currais para rebanho bovino;

r)Um capril;

s)Uma estrutura para criação de coelho;

t)Uma estufa para produção de hortaliças;

u)Um viveiro para produção de mudas;

v)Quatro tanques para criação de peixes;

w)Minhocário;

x)Três Áreas de roça;

y)Quatro casas de apoio com cozinha comunitária e banheiros;

z)Dois dormitórios espaços com capacidade para 50 alunos equipados com banheiros interiores e exteriores;

aa)Cozinha, despensa e refeitório comunitário;

bb)Poço Artesiano;

cc)Caixa d’água de concreto com capacidade para 10.000 litros;

dd)Caixa d’água de PVC com capacidade para 5.000 litros;

ee)Igreja;

ff)Cercado de arame farpado (20 km de cercado);

gg)Área hospitalar, com: malocão, banheiros externos, hospital, caixa d’água e casa de atendimento.

Art. 15. - O Centro Indígena de Formação Surumu dispõe dos seguintes recursos para o desenvolvimento do processo formativo:

a)Veículo a disposição total do centro; 

b)Ferramentas para o trabalho de campo;

c)Filmadora;

d)Três motores bomba com sistema de encanação para distribuição de água;

e)Duas máquinas forrageiras;

f)Centrifugadora de mel;

g)Misturador manual para elaboração de ração balanceada;

h)Máquina embaladora;

i)Máquina para beneficiamento de arroz;

j)Dois aparelhos para cerca elétrica.

 

CAPITULO IV

PARTICIPANTES DO PROCESSO FORMATIVO

 

Art.16. - Os participantes do processo formativo são os seguintes: comunidades indígenas; alunos do Centro; Conselho Indígena de Roraima (CIR); Diocese de Roraima; e professores.

As comunidades indígenas

Art.17. - As comunidades indígenas e as Regiões participam do processo formativo:

I.Escolhendo os jovens para se capacitar no Centro;

II.Acompanhando o processo dos seus jovens e participando com contribuições na parte da alimentação;

III.Participando na gestão e administração do Centro através de suas lideranças no Conselho Diretivo e na Comissão de Coordenação;

IV.Acolhendo e acompanhando os jovens durante o processo formativo, principalmente nos tempos de estudo em alternância dentro da comunidade, e depois do processo, facilitando-lhes o trabalho dentro da comunidade.

 

Os alunos

Art.18. - Os jovens do Centro:

I.São escolhidos pelas suas comunidades e regiões junto com as equipes missionárias que trabalham na área. A idade mínima para o acesso será de 16 anos;

II.Têm o compromisso de se formar para voltar à comunidade e trabalhar na auto-sustentação;

III. Mostram um interesse para se capacitar nas áreas de Agricultura e Pecuária;

IV.Durante o processo formativo, participam ativamente da gestão do Centro, com responsabilidade e firmeza;

V.Têm como principal objetivo o aproveitamento do ensino-aprendizado, desenvolvendo com interesse sua iniciativa pessoal;

VI.Durante o processo formativo, fortalecem o compromisso com a caminhada histórica de seu povo, participando das atividades que possam contribuir para isso;

VII.Respeitam os termos de compromisso assumidos junto com os outros alunos.

 

O Conselho Indígena de Roraima

 Art.19.-O Conselho Indígena de Roraima (CIR) é a entidade titular do Centro Indígena de Formação e Cultura Raposa Serra do Sol. Compete ao CIR, através de seus órgãos representativos:

I.Representar oficialmente e defender os interesses do Centro;

II.Procurar recursos e alternativas de financiamento para o Centro;

III.Zelar pelo correto funcionamento do Centro e pelo cumprimento deste Regimento;

IV.Zelar pela boa administração dos recursos.

Art.20.- O Conselho Indígena de Roraima delega a administração e gestão do Centro aos Conselhos Regionais da Terra Indígena Raposa Serra do Sol.

Art.21.- É obrigação de cada Coordenação Regional da Terra indígena Raposa Serra do Sol:

I.Acompanhar diretamente o funcionamento do Centro, assumindo responsabilidades nos órgãos internos de gestão;

II.Zelar pelo cumprimento do Projeto Político Pedagógico do Centro e deste Regimento;

III.Informar detalhadamente sobre o funcionamento do centro à Assembléia Estadual, Assembleias Ampliadas e coordenação Geral do Conselho Indígena de Roraima;

IV.Cuidar pela boa administração dos recursos dirigidos a manutenção do centro.

 

A Diocese de Roraima

Art. 22. - A Diocese de Roraima:

I.Contribui com o apoio e assessoria na administração do Centro no contexto do seu compromisso com a caminhada e a luta dos povos indígenas de Roraima, podendo liberar uma pessoa que trabalhará dentro da Comissão de Coordenação do Centro;

II.Compromete-se, conforme decisão das lideranças indígenas, a participar ativamente no Conselho Diretivo do centro, assegurando em dito Conselho a presença permanente de uma pessoa por cada região da Terra Indígena Raposa Serra do Sol;

III.Compromete-se a trabalhar diretamente nas comunidades indígenas de todo o Estado na animação e acompanhamento das lideranças, professores e jovens de modo que o Centro seja conhecido e reconhecido por todas as comunidades;

IV.Participa, através dos distintos agentes de pastoral das diversas regiões indígenas do Estado, e junto às lideranças, na indicação, envio e acompanhamento dos jovens alunos do Centro. 

Os professores e assessores

Art.23.-Os professores e assessores que desenvolvem a proposta pedagógica do Centro:

I.Desenvolvem seu trabalho com uma identificação com os objetivos e princípios do Centro, no contexto de seu compromisso com a caminhada e luta dos povos indígenas;

II.São lotados para trabalhar no Centro a petição ou prévia consulta com as lideranças indígenas e a Diocese de Roraima;

III.Têm uma caminhada de compromisso com sua comunidade ou com os povos indígenas e possuem competência para o desenvolvimento de seu trabalho;

IV.Zelam pela qualidade do processo educativo.

CAPITULO V

MODELO DE GESTÃO

 Art.24.- A entidade responsável pelo Centro Indígena de Formação Surumu é o Conselho Indígena de Roraima (CIR), através dos seus Conselhos Regionais, e em especial dos Conselhos Regionais da Terra Indígena Raposa Serra do Sol.

Art.25.- O modelo de organização do centro terá os seguintes espaços para a tomada de decisões:

1.Conselho Diretivo;

2.Comissão de Coordenação;

3.Assembléia de alunos;

4.Unidade administrativa.

O Conselho Diretivo

 Art. 26. - O Conselho Diretivo está formado pelos seguintes membros:

•Um Coordenador da região mais uma liderança escolhida por cada Conselho Regional do CIR na Terra Indígena Raposa Serra do Sol;

•Dois professores indígenas de cada Região da Terra Indígena Raposa Serra do Sol;

•Um representante da Coordenação Geral do CIR;

•Um membro da equipe missionária de cada região da Terra Indígena Raposa Serra do Sol;

•Os membros da Coordenação do Centro;

•Uma representante da OMIR de cada região da Terra Indígena Raposa Serra do Sol;

•Os alunos-tuxauas que no momento de cada encontro desempenhem esse serviço;

•Membros Honoríficos e Lideranças Tradicionais convidadas a participar pelo próprio Conselho.

&1.O Conselho Diretivo poderá convidar os Coordenadores de outras regiões do estado.

Art.27.- O Conselho Diretivo tem caráter deliberativo. É o máximo responsável e representante do Centro e a ele compete à definição das linhas de trabalho, a decisão sobre aqueles aspectos que tenham a ver com a natureza e o objetivo do Centro e a responsabilidade de zelar pelo bom funcionamento do Centro, sendo suas principais funções:

a.Velar pelo cumprimento do Projeto Político Pedagógico do Centro e pela fidelidade do Centro ao objetivo com o qual nasceu e aos princípios e eixos da proposta pedagógica;

b.Representar o Centro perante as comunidades indígenas, as autoridades públicas e a sociedade envolvente em geral;

c.Velar pela lotação de professores para o Centro;

d.Aprovar as mudanças que venham modificar os elementos mais importantes do Centro;

e.Procurar os recursos necessários para o andamento do Centro.

Art.28.-O Conselho Diretivo reúne-se quatro vezes durante o ano de modo ordinário.

&1.-O Conselho  nomeará dentre seus membros uma pessoa que assumirá a coordenação do Conselho e será responsável de sua convocação.

&2.-A petição de qualquer membro do Conselho, este poderá se reunir de modo extraordinário em qualquer momento do ano.

 

A Coordenação

 Art.29 -A Coordenação é um órgão colegiado formado por um mínimo de 03 (três) pessoas indicadas e escolhidas pelas comunidades indígenas:

&1.Os membros da Coordenação funcionarão como uma equipe, podendo distribuir-se tarefas para uma melhor articulação, sem impedir a responsabilidade total de todos e cada um dos membros da Coordenação no trabalho assumido.

&2.Os membros da Coordenação assumirão solidariamente as responsabilidades coletivas, não existindo hierarquia entre eles, formando um colegiado que fará às vezes de Direção do Centro.

&3.As pessoas indicadas para formar parte da Coordenação poderão pertencer a quaisquer das terras indígenas do Estado de Roraima, e assumirão um compromisso inicial de trabalho não inferior a 04 (quatro) anos.

&4.oderá formar parte da Coordenação uma pessoa escolhida pela Diocese de Roraima, tal como explicitado no artigo 22. I deste Regimento, que apoiará o trabalho desempenhado pela equipe.

Art. 0.-A Coordenação tem caráter executivo. Zelará pelo desenvolvimento das linhas de trabalho decididas no Conselho Diretivo e da proposta pedagógica do Centro. Será o responsável do andamento do Centro no dia a dia sendo suas principais funções:

a.Avaliação e programação de atividades educativas e de convívio do Centro;

b.Avaliação do andamento da Proposta Pedagógica;

c.Aquisição de materiais fungíveis para o desenvolvimento do processo educativo;

d.Elaboração do Calendário do Centro;

e.Aplicação dos recursos financeiros;

f.Prestação de contas de atividades e recursos econômicos;

g.Unidade Administrativa e Secretaria do Centro, podendo ser delegada a uma pessoa de confiança se assim se considerasse oportuno.

Assembléia de alunos

 Art.31.-A assembléia de alunos será convocada semanalmente e suas funções serão:

a.Analisar, avaliar e programar as atividades educativas e de convívio que se desenvolvem no Centro;

b.Elaborar os termos de compromisso do aluno dentro do Centro;

c.Escolher alunos para as distintas responsabilidades que devem ser desenvolvidas no processo educativo.

&1.Os alunos reproduzirão no Centro o sistema de organização das Comunidades, escolhendo entre eles pessoas que desenvolverão o serviço de tuxaua durante um período não inferior a 2 meses. Os tuxauas serão os responsáveis da convocação das Assembleias de alunos.

&2.Na preparação das Assembléias de alunos participará algum membro da Coordenação do Centro, respeitando a maior responsabilidade dos alunos. Também poderão ser convidados os professores do Centro.

CAPITULO VI

DISPOSIÇÕES GERAIS

Art.32.-Qualquer modificação no espírito, estrutura de ensino ou proposta pedagógica deverá ser acordada entre as partes envolvidas no Centro Indígena de Formação e Cultura Raposa Serra do Sol: Conselho Indígena de Roraima (CIR) e Diocese de Roraima.

Art.33.-O Conselho Indígena de Roraima poderá procurar a assinatura de convênios com outras entidades, públicas ou privadas, com fins de apoio financeiro, cooperação científica ou ações de formação, sempre que respeitem e contribuam com o desenvolvimento dos objetivos do Centro.

 

 

Todo conteúdo  é de inteira responsabilidade do Conselho Indígena de Roraima, para uso destas informações, deve solicitar uma autorização por escrito.

 

Assinar este feed RSS